O que inspira os jovens ao redor do mundo a criar mudanças? Quais barreiras os impedem de partir para a ação – e quais ferramentas, recursos e experiências poderiam ajudá-los a superá-las?

Levando em consideração estas questões, realizamos um estudo com mais de 7.000 pessoas de idades entre 13 e 34 anos em dez mercados (África do Sul, Argentina, Austrália, Brasil, China, Estados Unidos, Filipinas, Itália, Polônia e Reino Unido). Aqui estão nossas descobertas:

Os jovens globais têm consciência social e acreditam que a mudança depende deles. Eles se preocupam de verdade com o mundo ao seu redor e querem causar um impacto tangível. Dois-terços dos jovens buscam maneiras de se envolver em causas com as quais eles se preocupam – e 64% acreditam que eles têm uma responsabilidade pessoal para se envolver em questões importantes. Para 61%, é responsabilidade de sua geração resolver os problemas que eles herdaram.

Uma conexão pessoal com uma causa, um sentimento de injustiça, e o engajamento de amigos com alguma questão são as razões que os motivam a se envolver. Os jovens se tornam mais conscientes de um problema social quando este os impacta pessoalmente. Eles se sentem inspirados a agir se um problema parece ser “injusto” e viola seu senso do que é certo e errado. A força social é uma outra motivação poderosa. Se seus amigos se preocupam com alguma questão, eles têm mais probabilidade de encontrar alguma forma de participar.

Eles são otimistas e focados no futuro – mas ainda precisam de ajuda. Os jovens pensam e conversam muito sobre o que vai acontecer nas suas vidas. Apesar deles geralmente enxergarem o futuro com otimismo, isso vem junto com uma certa ansiedade sobre o desconhecido. No entanto, o otimismo vence – eles são 2.5 vezes mais propensos a achar que o mundo será um lugar melhor daqui a 10 anos, do que um lugar pior. Apesar dos jovens terem essa consciência social e desejarem se envolver, eles sentem que não ter recursos ou apoio suficiente limita seu poder para criar mudanças.

Quatro barreiras principais impedem que os jovens participem de causas sociais. Muitas vezes eles se envolvem apenas superficialmente, impulsionados mais pelo subconsciente e pelo pensamento emocional do que pelo pensamento racional. As barreiras são:

  • Acreditar que eles não têm tempo. Os jovens se preocupam que, ao se envolver em questões sociais eles serão “sugados”. Enquanto os que são muito ativos tendem a assumir o compromisso de tempo, aqueles com menos experiência às vezes acreditam que o compromisso tem que ser enorme. Para contornar essa barreira, é importante mostrar que se envolver não precisa ser assustador.
  • Dúvida interna e externa. Duvidar de si próprio é muito comum entre os jovens; eles acreditam que falta autoridade para fazer a mudança acontecer. Muitas vezes, isto está enraizado num sentimento de que eles não sabem o suficiente sobre determinada questão, qual mudança é necessária, e que tipo de ação poderia ajudar – portanto é muito importante fornecer a eles informações e recursos. Eles também querem se certificar de que seu tempo, energia e dinheiro serão usados de boa-fé. Eles podem se sentir hesitantes sobre a habilidade de um grupo, organização ou iniciativa de fazer o que eles se propõem. Uma maneira de lidar com esta falta de confiança é ser transparente e ilustrar o impacto de suas ações, como, por exemplo, através de atualizações ao vivo.
  • Preocupação sobre como os outros reagirão às suas participações. Envolver-se numa questão social pode parecer estranho ou ser intimidador para os jovens – 56% disseram que guardam suas opiniões para eles mesmos para evitar conflito. Participar de uma causa social pode não parecer “cool” para seus amigos, e poderia torná-los vítimas de bullying, brincadeiras, ou violência física em eventos públicos. Embora grupos de pares e acesso às redes sociais possam inspirar engajamento, eles também podem ser as razões pelas quais os jovens acabam seu envolvimento em uma causa.
  • Não ter certeza de como e se eles podem causar um impacto real. Participar de causas sociais parece ser complicado – e às vezes os jovens acreditam que eles não podem agir por conta própria. Para 1 a cada 5, se sentir exausto ou sobrecarregado limita seu poder. E para 1 a cada 4, a sensação de que é impossível alcançar o que eles querem, impõe limites. Os jovens podem se sentir desesperançados sobre questões persistentes que não parecem melhorar. Como eles pensam sobre mudanças em termos de “branco ou preto”, é importante mostrar mudanças incrementais, apresentando pequenas vitórias durante o percurso.