Como os australianos estão usando as redes sociais?

No nosso estudo Social for Everyone (Redes Sociais Para Todos), conversamos com mais de 40.000 pessoas através de pesquisas em 35 países, incluindo a Austrália. Aqui estão nossas descobertas:

Os australianos têm menos probabilidade do que seus pares globais a ter uma conta em redes sociais. Na Austrália, 76% das pessoas com idades entre 12 e 54 anos têm uma conta em alguma rede social, comparado com 86% global. Os australianos de idades entre 6 e 11 anos têm muito menos probabilidade de ter uma conta do que as crianças globais (22% vs. 44%).

Eles checam as redes sociais frequentemente. Os australianos de idades entre 12 e 54 anos têm um pouco mais de probabilidade do que seus pares globais a checar suas contas nas redes sociais pelo menos a cada 6 horas (79% vs. 76%).

Se conectar com amigos e família é a principal razão para usar redes sociais. Para os australianos, assim como para as pessoas globais, as três principais razões para usar as redes sociais são manter contato com amigos e família, puro entretenimento, e matar tempo.

A maioria vê benefícios nas redes sociais e sente que elas podem fortalecer seus relacionamentos. Três quartos dos australianos (74%) sentem que as redes sociais têm um efeito positivo em pelo menos uma área das suas vidas, assim como seus relacionamentos, suas carreiras, suas vidas sociais, ou seu engajamento político. Sete a cada dez sentem que elas são boas para seus relacionamentos, incluindo suas vidas sociais em geral (58%), amigos próximos (54%), irmãos (47%), e pais (39%).

 Eles se preocupam menos com as desvantagens das redes sociais. Os australianos são significativamente menos propensos do que as pessoas globais a se preocupar de alguma maneira com as redes sociais (38% vs. 55%). Eles também se preocupam menos em sofrer bullying online (24% vs. 36%).

Os australianos em diferentes faixas etárias usam as redes sociais de suas próprias maneiras: 

  • De 35 a 54 anos são autoconfiantes e têm uma abordagem equilibrada. Nove entre dez australianos nesta faixa etária sentem que as redes sociais refletem quem eles realmente são (90% vs. uma média de 87% entre as pessoas com idades entre 12 e 54). Eles postam menos, com apenas 16% dizendo que amam compartilhar todas as suas experiências nas redes sociais, comparado com uma média de 34%. Apenas 20% sentem que ter muitas conexões nas redes sociais melhora sua imagem (comparado com uma média de 36%) e 18% ficam envergonhados em postar algo nas redes sociais e não receber um monte de “curtidas” (média de 33%).
  • De 25 a 34 são usuários cautelosos que passaram pela fase de “teste” das redes sociais. Metade dos usuários de redes sociais australianos já tiveram amizades desfeitas, comparado com uma média de 38% entre as pessoas de 12 a 54 anos. Este grupo também é mais propenso do que seus pares de outras idades a se preocupar se suas fotos ou posts nas redes sociais irão causar problemas para eles no futuro (44% vs. uma média de 38%).
  • De 18 a 24 estão focados no futuro e conscientes do que os outros irão pensar sobre eles. Na Austrália, esta faixa etária é a mais propensa a ter uma conta numa rede social (88% vs. uma média de 65% entre as pessoas de 12 a 54 anos). Eles sentem uma pressão maior para serem os melhores (71% vs. 60%), se preocupam mais com o que os outros pensam sobre eles (71% vs. 63%), e querem que seus pais se orgulhem deles (66% vs. 49%). Eles também têm mais probabilidade de achar que estão passando tempo demais nas redes sociais (63% vs. 44%) e que gostariam de dar uma pausa nas redes sociais e na internet (55% vs. 42%).
  • De 12 a 17 estão desenvolvendo suas identidades e buscando sua independência. Os adolescentes australianos gostam de compartilhar suas opiniões (86% vs. 81% entre as pessoas de idades entre 12 e 54 anos). Eles se preocupam mais do que outras faixas etárias sobre não ter acesso à internet (60% vs. 48%) e sentem que não conseguem viver sem seus telefones (66% vs. 64%). A pressão social também é mais comum nesta faixa etária – 36% se preocupam em sofrer bullying online (vs. uma média de 25%).