As famílias ao redor do mundo estão passando por mudanças, e as famílias chinesas não são diferentes. Em um estudo recente da Viacom, conversamos com famílias espalhadas pelo mundo sobre suas dinâmicas familiares – e identificamos algumas diferenças entre a China e o resto do mundo:

Os valores culturais estão mais presentes com mais força nas crianças chinesas. Na China, 91% das crianças concordam que é importante manter as tradições do seu país, posicionando a China em quarto lugar no nosso estudo global. Enquanto isso, a média global ficou em 82%.

Os pais chineses têm uma ligação muito forte com seus filhos. 85% das famílias chinesas declararam que existe uma ligação próxima entre pais e filhos, em comparação com uma média global de 74%. Enquanto a China ultrapassa a maioria dos países ocidentais, fica aquém de muitos países do sudeste asiático, como a Indonésia que atingiu 96%. Além disso, é curioso notar que quando as famílias têm relacionamentos próximos, os pais têm uma probabilidade bem maior de falar palavrões na frente dos seus filhos. No entanto, a China é a única discrepante, com apenas 42% dos pais xingando na frente dos seus filhos, em comparação com a média global de 62%.

A maior preocupação dos pais chineses é o estilo de vida saudável dos seus filhos. Isto vai na contramão da maioria dos outros países, onde as maiores preocupações são a segurança e a proteção dos seus filhos. Além disso, é mais importante para os pais chineses que seus filhos deem o seu melhor para conseguir notas mais altas.

As famílias chinesas têm uma média de quase 6 aparelhos por casa. As famílias chinesas têm uma média de 5.6 aparelhos por casa, uma pontuação abaixo da média global de 8.6 aparelhos. As crianças chinesas de 6 a 11 anos têm mais probabilidade de possuir um smartphone do que um tablet – em contraste com as crianças globais, que têm mais probabilidade de possuir seus próprios tablets.