No próximo 1º de dezembro será o trigésimo aniversário do Dia Internacional da AIDS, uma oportunidade para as pessoas ao redor do mundo se unirem na luta contra o vírus HIV, mostrar seu apoio às pessoas vivendo com a doença, e homenagear aqueles que já morreram.

Para comemorar tanto o Dia Internacional da AIDS quanto o vigésimo aniversário da MTV Staying Alive Foundation, nós realizamos recentemente o estudo sobre HIV/AIDS da Viacom-RIWI. O objetivo desta pesquisa realizada em 10 países era determinar os níveis de conscientização ao redor do mundo e descobrir se as pessoas estão tomando medidas preventivas para evitar a contaminação. Aqui estão nossas descobertas:

A nível global, dois terços das pessoas pensam que HIV/AIDS são uma questão urgente. O senso de urgência é mais alto na Ucrânia (82%), no Brasil (77%), e na África do Sul (75%). Quase metade dos alemães (48%), além de 2 a cada 5 americanos, não veem a questão do HIV/AIDS como urgente.

Quase três-quartos das pessoas do mundo se consideram instruídas sobre como reduzir o risco de contrair o HIV. Esta confiança é maior na África do Sul (82%), Nigéria (81%) e no Brasil (81%). Os países onde as pessoas têm menos probabilidade de achar que são instruídas sobre esse tema são os Estados Unidos (67%), o Reino Unido (66%) e a Alemanha (55%).

Apesar disso, quase metade das pessoas não toma medidas para se proteger. Globalmente, 44% das pessoas não tomam medidas para reduzir o risco de contrair o vírus (isso inclui os 27% das pessoas que não se consideram em grupos de risco). As pessoas no Brasil (77%), na África do Sul (71%), e na Nigéria (66%) são as mais propensas a tomar as medidas preventivas.

Quase metade das pessoas ao redor do mundo nunca foram testadas para o HIV. No mundo todo, 46% nunca foram testadas (incluindo 21% que não se consideram em risco). O índice de pessoas não-testadas é ainda mais alto nas Filipinas (71%), no Reino Unido (65%), na Índia (53%), e na Ucrânia (52%). As maiores taxas de testes estão na África do Sul (81%), na Nigéria (62%) e no Brasil (60%).

Para aprender mais sobre a Fundação MTV Staying Alive Foundation e a luta global contra HIV/AIDS clique aqui.