Em 2016, a Viacom e o Logo fizeram uma parceria com o ILGA (International Lesbian, Gay, and Transgender Association / Associação Internacional de Lésbicas, Gays e Transgêneros) e RIWI para ter uma visão sobre as atitudes em relação às pessoas LGBT a nível global e separadamente por país. O resultado deste projeto, The Global Attitudes Survey on LGBTI People, (a pesquisa global de atitudes em relação à comunidade LGBT), foi a maior e mais completa sobre este assunto, abrangendo 100.000 pessoas em 65 países, um feito inédito.

Esta pesquisa descobriu que, embora a aceitação esteja crescendo globalmente, ainda há um longo caminho a ser percorrido até a igualdade.

Hoje, a Viacom e o Logo divulgaram as descobertas de um estudo interativo de 2017 – desta vez abrangendo mais de 116.000 indivíduos online em 77 países. A pesquisa de 2017 foi baseada na fundação estabelecida em 2016 para apresentar resultados ainda mais profundos sobre o ritmo que estas atitudes e percepções estão progredindo. Além disso, ajuda a entender como é a vida das pessoas LGBT ao redor do mundo.

Assim como em 2016, a pesquisa deste ano encontrou avanços significativos, mas também fortes indicadores sobre a discriminação e os maus-tratos que as comunidades LGBT ainda estão enfrentando.

Entre os sinais de progresso está um aumento de 5 por cento de apoio ao casamento de pessoas do mesmo sexo a nível global, com quase 2 em cada 5 pessoas no mundo agora apoiando a legalização. Este crescimento coincide com vários países que assinaram recentemente leis permitindo a igualdade ao direito ao casamento, incluindo a Austrália e a Áustria.

Mesmo com indicações positivas de progresso, esta visão sobre as experiências das comunidades LGBT ao redor do mundo ilustra o longo percurso para uma verdadeira aceitação global. Entre as pessoas ao redor do mundo que sentem atração por pessoas do mesmo sexo, 27% já sofreram experiências de violência por causa desta atração e 43% já sofreram pelo menos uma leve discriminação no local de trabalho por causa disso.

Mesmo assim, apesar da descriminação generalizada, as pessoas que sentem atração por pessoas do mesmo sexo são duas vezes mais propensas a dizer que as atitudes em relação à diversidade sexual no seu país estão melhorando, em vez de piorando.

A pesquisa descobriu que dois fatores para tornar as atitudes e percepções mais favoráveis incluem conhecer alguém que sente atração por uma pessoa do mesmo sexo e a representação positiva de pessoas LGBT na mídia e as opiniões das celebridades. Estes fatores contribuíram muito para uma mudança em geral positiva em relação à comunidade LGBT e sugere que uma maior conscientização e percepção das vidas de pessoas LGBT ao redor do mundo é essencial para impulsionar este avanço.